Páginas

twitter


Pesquisar este blog

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Analisamos um pacotão de bugigangas direto da China

Quem não gosta de uma boa bugiganga? No dicionário, o termo se refere a “coisa de pouco valor”. Mas, colocando em outras palavras, são aqueles dispositivos que prometem utilidades que você nem sabia que precisava — até descobrir o preço baixo.

Muitas dessas bagatelas são úteis e surpreendem pela qualidade oferecida, apesar do custo pequeno. No entanto, algumas bugigangas são realmente questionáveis quanto à funcionalidade e aos atributos apresentados, levantando a seguinte dúvida até para os mais consumistas: “Valia mesmo a pena eu ter comprado?”.

Como ainda testar é o melhor (e mais seguro) método para saber se um produto é definitivamente bom ou ruim, o Tecmundo analisou um pacote de bugigangas, enviado pela Focal Price, contendo dispositivos que chamam a atenção pelas funcionalidades — e que prometem deixar o seu dia a dia muito mais prático e criativo. Confira:

Carregador de bateria no formato de pulseira

Este dispositivo é especialmente voltado aos viciados em smartphones, aqueles que já sentem até arrepio só de pensar em ficar sem o celular — caso a bateria acabe bem no meio da rua. E é ai que entra o Supply Battery Power from Wrist, um dispositivo no formato de relógio de pulso que vem “salvar” esse tipo de situação, pois funciona como uma bateria móvel para recarregar celulares, tablets e outros aparelhos compatíveis.


Ele já vem com diversas entradas para dispositivos — como Nokia, Sony PSP, Samsung e iPhone — e, para usá-lo, basta conectá-lo com outros aparelhos através de um cabo. Também existem quatro luzes de LED que indicam o nível de bateria que a pulseira-carregador ainda tem e, caso seja preciso, basta carregá-la via USB.


No entanto, apesar de se enquadrar nos casos de “boas bugigangas” (ele realmente funciona, salvando o dia em que você estiver com a bateria do celular descarregada), o Supply Battery Power from Wrist não é muito confortável de se usar, especialmente por exigir que você continue segurando o dispositivo até o processo de carregamento chegar ao fim — o cabo de conexão entre aparelho e pulseira é muito curto.

Para os que ainda possuem uma preocupação quanto à estética, ele também pode não ser o bracelete mais bonito que você já usou na vida: é grosso, de borracha e com luzes de LED, sabendo chamar a atenção caso você ande com ele na rua.

Miniaspirador para teclado

Se você anda preocupado com a “saúde” do seu teclado — especialmente depois que você descobriu que ele é capaz de agregar mais bactérias que um vaso sanitário —, o USB Mini Computer Vacuum pode ser a solução, dependendo do nível de sujeira do qual você queira se livrar.


A proposta deste dispositivo não poderia ser melhor: um aspirador para teclado que funciona via USB. Além de ser compacto, ele ainda possui dois formatos de sugadores, que se adaptam ao tipo de limpeza que você quer fazer. Um deles, por exemplo, permite limpar entre e até debaixo das teclas.

Tudo muito lindo e útil, não? Mas, infelizmente, em nossos testes o USB Mini Computer Vacuum deixou um pouco a desejar, pois apresentou pouca potência no processo de limpeza. No caso, ele suga melhor pedaços maiores, como migalhas, mas sabemos que não são apenas esses tipos de sujeira que podem habitar o escuro e “misterioso” mundo debaixo das teclas.

Assim, o dispositivo até pode tentar ajudar, mas ainda não supera uma boa combinação de água e sabão no seu teclado.

Ventilador via USB

No Brasil — onde temperaturas quentes fazem parte de uma boa parcela dos meses e, em alguns lugares, até mesmo do ano inteiro —, a proposta do USB Fan poderia ser uma boa ajuda: trata-se de um pequeno ventilador com um pescoço moldável, permitindo a você colocá-lo na posição que você preferir no seu computador ou notebook, pois funciona via USB.


Este dispositivo ainda possui certo estilo, com luzes de LED coloridas acopladas em uma das hélices, criando vários efeitos de luz. No entanto, você pode precisar de um adaptador caso a entrada USB do seu computador fique muito longe da sua mesa, pois o ventilador tem um cabo de curto alcance.


Para os brasileiros, especialmente os que vivem com aquele famoso calor de 40 graus, o USB Fan pode não ser a melhor escolha, já que o vento produzido por ele não é muito potente. Mas, com um preço baixo, vale a diversão e o estilo das luzes, que deixam qualquer mesa de computador mais alegre — e bem chamativa.

Iluminador de torneiras

O Waterglow já entra na categoria “objetos para decoração” e é, na verdade, mais interessante e criativo do que útil. Trata-se de um dispositivo que se encaixa nas torneiras e, a partir de um sensor, ele ilumina a água que sai pelo cano, utilizando as cores azul (quando ela estiver fria) e vermelho (quando estiver quente).


É um efeito interessante para quem deseja que até as torneiras da casa tenham um “algo a mais”. O fabricante ainda afirma que o dispositivo pode ajudar crianças a discernirem quando a água está fria ou quente, evitando possíveis acidentes. Como cada torneira tem um tipo de boca, adaptadores universais são enviados junto com o Waterglow.

O “iluminador de água” é bem interessante e divertido, mas o funcionamento dele é um pouco questionável, especialmente pelo dispositivo não desligar juntamente com a torneira — as luzes ainda ficam acesas, provavelmente por ter um resquício de água dentro do dispositivo, que não difere quando o fluxo de água realmente parou, gastando a bateria sem nenhuma necessidade.

Sonic Keyfinder

Essa ideia pode surpreender pela simplicidade e utilidade: se você vive perdendo suas chaves, basta assobiar. O Sonic Keyfinder é um chaveiro que dispara um alarme — e ainda acende uma luz — ao som de um assobio. Tudo para você nunca perder as chaves de novo.


Analisando melhor, este chaveiro é um recurso ainda mais útil para mulheres, que carregam de tudo e mais um pouco na bolsa e já passaram por alguns apuros por não acharem as chaves no meio de tantas coisas. O dispositivo, de quebra, ainda pode iluminar buracos de fechadura.

Mesmo não tendo um amplo alcance de captura do assobio — você deve estar um pouco próximo do local em que supostamente estariam suas chaves —, o Sonic Keyfinder caracteriza-se como toda boa bugiganga deve ser: criativo, barato e bastante útil.



Leia mais em: http://www.tecmundo.com.br/aparelhos-eletronicos/22792-analisamos-um-pacotao-de-bugigangas-direto-da-china.htm#ixzz1tVdFI2SH

domingo, 29 de abril de 2012

angry birds: aprenda a fazer um cubo do boneco

esses são cubos de Angry Birds, otima decoração pra quem gosta do joguinho para android,
Angry Birds é um jogo de quebra-cabeça desenvolvido pela Rovio Mobile no qual os jogadores usam um estilingue para lançar vários pássaros em suínos estacionados sobre ou dentro de várias estruturas, com a intenção de destruir todos os porcos.


Little Plastic Man orgulha-se de dar Angry Birds no papel!

Download seu próprio papel Angry birds.




domingo, 22 de abril de 2012

quinta-feira, 19 de abril de 2012

como fazer oculos 3d

A moda agora é o retorno do óculos 3D. Parece coisa nova, mas é antiga. Lembro-me, por exemplo, de assistir ao filme "A Hora do Pesadelo 6 - Pesadelo Final: A Morte de Freddy", em 1991, no cinema.

Você recebia o óculo 3D e usava no fim do filme, quando a filha dele entrava em sua mente.

Agora, até a Playboy decidiu publicar fotos da Larissa Riquelme, a musa da Copa, em 3D. Quem costuma ver as fotos pela internet, não tinha o óculos para apreciar, digamos, o celular da moça... rs

Não tinha! Porque agora seus problemas acabaram. A Blog do Zemarcos Corporation, depois de investir milhões em pesquisas, traz uma forma caseira de fazer o seu megahipersuperultrazóiotreisdê.

É muito fácil. Primeiro, baixe o modelo clicando na figura abaixo e imprima:








 




 
 
 
 
 
::: Se a imagem acima não abrir, clique aqui! :::


Depois, assista ao vídeo feito com a ajuda da minha cobaia predileta






fonte: http://www.blogdozemarcos.com/2010/09/aprenda-fazer-um-oculos-3d-caseiro.html

terça-feira, 3 de abril de 2012

Lei dos Sacoleiros entra em vigor permitindo importação pela Ponte da Amizade



da Agência Brasil

Wellton Máximo
Repórter da Agência Brasil
Brasília – A partir de hoje (8), os comerciantes podem importar mercadorias pela Ponte da Amizade, que liga Foz do Iguaçu (PR) a Ciudad del Este, no Paraguai, pagando menos impostos. Entrou em vigor a Lei dos Sacoleiros, que garante recolhimento simplificado de tributos e redução da burocracia na alfândega para profissionais autônomos e microempresários habilitados.
Sancionada em janeiro de 2009, a Lei dos Sacoleiros até hoje não tinha entrado em operação porque só foi regulamentada no fim de janeiro deste ano. A lei criou o Regime Tributário Único (RTU), em que a mercadoria entra no país pagando alíquota única de 25%, percentual correspondente aos tributos federais, além do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do estado onde o comerciante está registrado.
Somente pode habilitar-se no RTU a microempresa com receita bruta anual de até R$ 360 mil e o microempreendedor individual, trabalhador autônomo formalizado, com receita bruta anual de até R$ 60 mil. Todos os importadores legalizados deverão estar inscritos no Simples Nacional.
As importações deverão respeitar o limite máximo anual de R$ 110 mil, com limites trimestrais de R$ 18 mil para o primeiro e o segundo trimestres, e de R$ 37 mil para os dois últimos trimestres. Esse sistema não vale para as importações de armas, munições, fogos de artifício, explosivos, autopeças, cigarros, medicamentos e bebidas, alcóolicas ou não alcóolicas.
Tanto o comprador brasileiro como o vendedor paraguaio têm de cumprir uma série de procedimentos para fazer a importação legalizada. Primeiramente, o estabelecimento vendedor no Paraguai deve estar autorizado pelo governo local a vender no regime. O lojista emite as faturas comerciais no sistema informatizado de controle da Receita Federal, e a mercadoria recebe uma etiqueta gerada pelo sistema RTU.
O comerciante brasileiro precisa efetuar o pedido de transporte no sistema informatizado, e o condutor do veículo cadastrado a operar no regime especial deve comunicar à alfândega paraguaia o início da operação. A mercadoria só entrará em território brasileiro acompanhada por um representante credenciado da microempresa.
Depois de atravessar a fronteira, a mercadoria é conferida pela aduana brasileira, que verifica se os dados da fatura correspondem aos registros do estabelecimento paraguaio. Em seguida, o representante credenciado imprime o Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf) para pagar os tributos federais e recolhe o ICMS.
Não havendo irregularidades, o bem é liberado e passa a ter livre circulação no território nacional. A mercadoria, no entanto, vem acompanhada de nota fiscal específica do RTU, que permite a venda exclusivamente ao consumidor final.